Header
| Página Inicial | Airways Magazine | Jornal de Turismo | Revista ASAS | Segurança&Defesa | Destaques ! Eventos ! Outros Sites | Expediente | Contato |
Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)
Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato) Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)
Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)


TAP Portugal 65 anos - Asas dos Descobridores

03/2010 (Daniel R.Carneiro, Aviation On Line)

A TAP comemora seu 65o aniversário com a liderança absoluta nos voos entre o Brasil e a Europa. Conheça a história da tradicional companhia aérea portuguesa.
 

TAP Portugal 65 Anos - Asas dos Descobridores

Cinco séculos depois da chegada dos grandes navegadores portugueses à América do Sul, a TAP – que comemora em março seu 65º aniversário – consolida os laços entre as duas nações irmãs, tornando-se a principal transportadora entre o Brasil e o Velho Continente. Sob o comando do brasileiro Fernando Pinto desde 2000, cresceu  120% nos últimos oito anos, sobreviveu à recente crise no setor e é hoje uma das mais eficientes e modernas companhias aéreas europeias. O segredo desse sucesso deve-se, em grande parte, à aposta feita no mercado brasileiro, ocupando o espaço aberto com o fim dos vôos internacionais da VARIG.
 
Um pouco de história
 

A história da aviação portuguesa tem como seu grande marco inicial a primeira travessia do Atlântico: em 30 de março de 1922, o aviador Artur de Sacadura Freire Cabral e o geógrafo Carlos Viegas Gago Coutinho – ambos oficiais da Marinha de Portugal – decolaram de Lisboa em um hidroavião monomotor Fairey F IIID Mk.II com destino ao Brasil. Em 17 de junho, depois de uma série de problemas técnicos e pequenos acidentes que obrigaram a reparos e a duas trocas de aviões, os heroicos pioneiros chegaram ao Rio de Janeiro. A viagem, embora tenha gasto 79 dias para ser concluída, teve apenas 62 horas de vôo efetivas, e graças às lições aprendidas e ao sistema de navegação criado pelos aviadores portugueses, foi de extrema importância para a realização de travessias posteriores – inspirando, entre outros, o célebre herói norte-americano Charles Lindbergh (autor da primeira travessia do Atlântico Norte) - e para a aviação comercial, que dava seus primeiros passos. Nessa mesma época, começam a surgir as primeiras companhias de transporte aéreo em Portugal, destacando-se a AP – Aero Portuguesa. Criada com a participação da Air France, a nova empresa tinha como missão ligar Portugal ao Marrocos - rota que se destacou por ser a única regular entre a Europa e o Norte da África durante a II Guerra Mundial , sendo imortalizada em um dos maiores clássicos do cinema: o filme Casablanca).

TAP DC-3 (autor desconhecido)Embarque do primeiro voo da TAP (foto TAP)Primeiros tripulantes em treinamento na academia da BOAC, Inglaterra (foto TAP)
Douglas DC-4 (foto TAP)Super Constellation (foto TAP)Desembarque de um Super Constellation (autor desconhecido)

1 - Douglas DC-3; 2 - Embarque do primeiro voo da TAP; 3 - Um dos primeiros grupos de pilotos em treinamento na academia da BOAC, Inglaterra; 4 - Douglas DC-4; 5 e 6 - Lockheed L-1049G Constellation

Após o fim da Guerra, o governo português, através do Secretariado de Aeronáutica Civil, tomou a iniciativa de organizar a aviação civil no país, publicando, em 14 de março de 1945, a Ordem de Serviço No.7. O documento assinalou a criação da Secção de Transportes Aéreos, que passou a ser designada com o nome de “Transportes Aéreos Portugueses”. A nova empresa aérea – com controle governamental - teve como fundador o General Humberto Delgado (diretor do Secretariado), compondo sua equipe o primeiro tenente aviador Joaquim Trindade dos Santos (Chefe da Seção), o capitão piloto aviador Luís Tedeschi Bettencourt (adjunto do Chefe e mais tarde Diretor dos Serviços Técnicos) e Benjamim Fernando Fonseca de Almeida (Piloto-Chefe).

Para compor a frota da TAP, foi escolhido o Douglas DC-3 Dakota, avião de transporte largamente utilizado durante a Guerra e que com o fim do conflito viria a ser a espinha dorsal da aviação comercial em todo o mundo, graças ao número de aeronaves construídas e disponíveis e à sua versatilidade. Os primeiros aviões foram entregues em 1946, e em 19 de setembro do mesmo ano a TAP inaugurou sua primeira linha comercial, voando de Lisboa com destino a Madri. O vôo inaugural foi operado pela aeronave de prefixo CS-TDF, tendo como comandante Abel Rodrigues Mano. Vencida esta primeira etapa, o próximo passo seria criar uma ligação regular entre Portugal e suas colônias na África. Para isso, foi inaugurada, em 31 de dezembro de 1946, a Linha Imperial, unindo Lisboa a Luanda (Angola) e Lourenço Marques (hoje Maputo, Moçambique). O primeiro vôo nessa nova rota, operado pelo DC-3 CS-TDE e comandado por Manuel Maria Rocha, teve a duração de seis dias, com cinco pernoites e doze escalas (a viagem por navio, na época, demorava em média trinta dias). A rápida expansão da rede da TAP ao continente africano fez necessária a aquisição de uma aeronave de maior porte e com maior autonomia, e, em 1947 foram comprados e entregues os quadrimotores Douglas DC-4 Skymaster. Com o aumento da frota, foram abertos os vôos de Lisboa para o Porto (1947), Paris - Le Bourget, Sevilha (1948), São Tomé e Londres – Northholt (1949).

Em 1948, a TAP filiou-se à IATA como membro efetivo, e cinco anos depois foi privatizada, ganhando maior autonomia para responder, de modo mais rápido, à crescente demanda do setor de transportes aéreos. Nessa época, foi absorvida a AP – AeroPortuguesa, e com esta a rota Lisboa – Tanger – Casablanca. Em 1953, a TAP adquiriu dois Lockheed L-1049G Super Constellation, inicialmente empregados na rota entre Lisboa e Lourenço Marques. Os DC-3 deram lugar aos DC-4 e aos novos aviões nas linhas para a África. Em 1954 foi apresentada a nova logomarca, utilizada até 1979. 

Na era dos jatos
   
Seguindo a tendência mundial, a TAP entrou na era dos jatos em 1961, com a encomenda de 3 jatos Caravelle, de fabricação francesa, fazendo sua estréia no ano seguinte nos vôos entre Lisboa e Madri e posteriormente nas rotas da África. Em 1965 chegou o primeiro Boeing 707, que entrou imediatamente nas linhas para Angola, Moçambique e África do Sul, e os Caravelle passaram a servir a Faro e Bruxelas. Em 17 de junho de 1966 – aniversário do vôo pioneiro de Gago Coutinho e Sacadura Cabral -, foi inaugurada a rota Lisboa – Rio de Janeiro. A companhia passou a integrar - em conjunto com a hoje extinta Panair do Brasil e posteriormente com a VARIG - o chamado “Voo da Amizade”, serviço regular compartilhado entre Lisboa e Rio de Janeiro iniciado em 1960 e que se estendeu até 1967. Também em 1967, a TAP chegou à América do Norte, inaugurando os vôos para New York com os Boeing 707. Em 1967, a TAP retirou de operação seus Super Constellation, e recebeu o primeiro trijato Boeing 727-100, tornando-se a primeira companhia aérea européia a operar exclusivamente com aviões a jato. Com os vôos intercontinentais para as Américas,no fim dos anos 60, a TAP ganhou novos uniformes – desenhados pelo estilista francês Louis Féraud - e novos padrões no serviço de bordo. Foi um período de grande progresso tecnológico na companhia, com o início da operação do primeiro computador ne gestão da empresa, a inauguração de um centro de revisão e ensaios de motores e a instalação de um simulador de vôo para Boeing 727.                                               

Boeing 707 (foto TAP)Boeing 707 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Boeing 707 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Caravelle (foto TAP)Boeing 727 (foto TAP)Boeing 737 (foto TAP)
Boeing 747 (foto TAP)Boeing 747 (fotoD.R.Carneiro, Aviation On Line)Boeing 747 (fotoD.R.Carneiro, Aviation On Line)

1 a 3 - Boeing 707; 4 - Caravelle; 5 - Boeing 727-100; 6 - Boeing 737-200; 7 a 9 - Boeing 747-200

  De 1967 a 1969, a TAP iniciou vôos de Lisboa para Amsterdã e São Paulo (Campinas), e de Faro para Dusseldorf. Em 1970, recebeu a Medalha de Mérito Turístico pelos serviços prestados ao turismo português, e em 1974, 1975 e 1976 foi agraciada com o troféu PubliTuris, concedido pelo maior jornal de turismo português às empresas que mais se destacaram no setor. Em 1971 foram inauguradas suas novas instalações no aeroporto de Lisboa, que incluíam uma nova sede, o hangar de manutenção No.6 e os novos centros de computação e de instrução, tendo início, no mesmo ano, os vôos para Montreal, no Canadá. O ano de 1972 marcou uma nova era na história da TAP : foram incorporados à frota os dois primeiros wide-bodies da companhia - os Boeing 747-200 -, prontamente introduzidos nos vôos para o Rio de Janeiro. A TAP tornou-se a primeira companhia aérea a operar regularmente esse modelo no Brasil. Dois anos depois, passou a ser a primeira empresa européia a executar a revisão completa dos reatores Pratt&Whitney JT9-D dos 747. Também entraram em operação, em 1974, os sistemas informatizados de reservas, de load control e de check-in. 

De volta ao controle estatal

Sede da TAP no aeroporto de Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Em 1975 a TAP voltou ao controle estatal, passando a Empresa Pública. Entrou em serviço, nesse mesmo ano, o primeiro Boeing 727-200. Em 1976, tiveram início os vôos para Caracas, Milão e Kinshasa, e em 1978, para Lyon, Luxemburgo e Salvador (esta como escala nos vôos para o Rio de Janeiro). Em 1979, a companhia passou por novo processo de modernização, com o lançamento de uma nova identidade visual, passando a chamar-se TAP Air Portugal. Em 1980, estende u os vôos de Milão a Roma e começou a voar para Barcelona, seguindo-se, em 1981, a abertura de vôos para Manchester e Harare. 1982 marcou o início da desativação dos Boeing 707, 727-100 e 747-200, substituídos, a partir do ano seguinte, por novos Boeing 737-200 e Lockheed L1011-500 TriStar. Em 1984, a TAP alcançou, pela primeira vez em sua história, a marca de 2 milhões de passageiros transportados em um ano.

Em 1985, foi inaugurado o Museu TAP, no aeroporto de Lisboa, e criadas as subsidiárias Air Atlantis, para operar vôos charter, e LAR, que atenderia às linhas regionais domésticas. Em 1987, inicia novo plano de renovação de frota, encomendando os wide-body Airbus A310, para vôos de alta densidade e médio alcance, e os Boeing 737-300, para substituir os 727-200. Em 1988 entrou em serviço o primeiro A310, mesmo ano em que a TAP iniciou vôos para Dublin, Estocolmo, Hamburgo, Nice, Stuttgart e Curaçao e tornou-se a primeira companhia aérea a estabelecer ligações terra-ar via satélite. Também em 1988, entrou no ar o sistema informatizado de cálculo de tarifas e emissão de bilhetes e foram apresentados os novos uniformes das comissárias de bordo e a nova decoração interior das aeronaves. No ano seguinte, foram entregues à TAP mais L1011-500 e os primeiros 737-300, implantado o simulador de vôo para 737 e inauguradas linhas para Toulouse, Dakar e Abidjan. Ainda em 1989,  a TAP consolida sua opção pela Airbus para a frota de longo curso, encomendando dois A340-300. Em 1990, a companhia atingiu a marca de 3 milhões de passageiros transportados ao ano. Um ano depois, a TAP é transformada em Sociedade Anônima de capitais majoritariamente públicos. Em 1993 foram entregues os dois primeiros Airbus A320 de uma encomenda inicial de seis, e implementado o sistema computadorizado de emissão automática de bilhetes e cartões de embarque.  Foram retomados os vôos para Salvador e Estocolmo e inaugurada a ligação Lisboa – Tel Aviv.                                                                               

Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Lockheed L1011-500 TriStar (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A310 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

1 a 6 - Lockheed L1011-500 TriStar; 7 a 15 - Airbus A310

Em 1994 foi lançado o Plano Estratégico e de Saneamento Econômico-Financeiro, visando recuperar a empresa, que enfrentava uma crise financeira. Chegaram os dois primeiros A340-300, e no mesmo ano, a TAP anunciou a reformulação de sua malha aérea, deixando de operar destinos secundários na Europa e estabelecendo um acordo de code-share com a Delta Airlines para as operações no Atlântico Norte. Em seu 50º aniversário, em 1995, foi apresentado o projeto TAP 200, com vistas à modernização da empresa, do qual faziam parte os estudos para a renovação total da frota. No ano seguinte foi anunciada a opção definitiva pelo consórcio Airbus, com a aquisição de 22 A319 e A320 para substituir os Boeing 737, e a TAP inaugurou seu website na internet. Nesse mesmo ano foram abertas as linhas Lisboa – Macau e Lisboa – Boston (com escala em Terceira, nos Açores). Em 1997 foram assinados novos acordos de code-share, recebidos os dois primeiros A319 e instalado um simulador de vôo para a família A320. A TAP volta a apresentar bons resultados, encerrando o exercício com lucro. Em 1998 chegaram mais seis A319 e foi anunciada a encomenda de mais um A320 e dois A321, sendo estabelecido mais um acordo de code-share, desta vez com a TransBrasil. Em 1999 tiveram início os “vôos azuis”, exclusivos para não-fumantes, em todas as linhas da Europa e Atlântico Norte.

Em 2000 foi anunciado o projeto MOP, visando a divisão da TAP em três grandes unidades de negócios – transporte aéreo, handling e manutenção de aeronaves. Foi formada a Yes Linhas Aéreas Charter, com 51% de capital da TAP e o restante da Abreu Viagens (principal operadora de turismo portuguesa), e estabelecidos acordos de cooperação com a LAM – Linhas Aéreas de Moçambique e com a regional PGA Portugalia. Nesse período, com a modernização dos serviços de informática, foram lançadas novas facilidades para os clientes, como o envio de mensagens SMS, linhas telefônicas dedicadas para informações de vôos, reservas e tarifas, check-in por telefone e achados e perdidos. Em agosto, foi entregue o primeiro Airbus A321.Em 2001, com o agravamento da crise da VARIG e início da redução da malha internacional da companhia brasileira -, a TAP conquistou, pela primeira vez, a posição de transportadora aérea européia com presença mais marcante no Brasil, oferecendo vôos diários para o Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Em 24 de março foi realizado o último vôo com uma aeronave Boeing nas cores da TAP  e em 1º de junho assumiu o posto de 1ª mulher comandante na empresa Teresa Carvalho, em um vôo de Lisboa para Milão.                                               

Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A340 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

Airbus A340-300

A TAP hoje

Em 2005, ano em que comemorou seus 60 anos, a TAP apresentou a nova pintura e logomarca de suas aeronaves, mudando sua denominação para TAP Portugal e integrando-se, em 14 de março de 2005, à STAR Alliance. Sua subsidiária charter Yes deu lugar à White, mais tarde vendida ao grupo OMNI Aviação, e o acordo com a Delta Air Lines foi encerrado e substituído por novo acordo com a United Airlines, sua parceira de aliança. Em 2006 foi anunciada a encomenda dos primeiros Airbus A330-200, que em pouco tempo viria a se tornar a principal aeronave nas rotas de longo curso da TAP, e a aquisição da PGA Portugalia, reforçando a presença do grupo no mercado europeu. Comemorando bons resultados até 2007, ano em que registrou seu maior lucro, a TAP não passou imune à crise de 2008-2009, agravada pela alta do petróleo e derivados – registrando, ao final do exercício de 2008, um prejuízo de 285 milhões de Euros. Mesmo assim, a companhia está entre as menos afetadas pela crise, graças à constante renovação da frota – hoje padronizada com aeronaves Airbus - e de seus sistemas de gestão.

A TAP está entre os primeiros clientes do novo Airbus A350 XWB, com uma encomenda de 12 aeronaves que deverão entrar em serviço a partir de 2014, substituindo os A340 e A330. Serão feitos mais investimentos nos mercados brasileiro e africano – os mais rentáveis em sua malha aérea internacional -, com a abertura de novos destinos, como o recém-anunciado vôo para Campinas, em São Paulo. Hoje a malha aérea da TAP – incluindo sua subsidiária PGA - serve, a 63 cidades e 66 aeroportos na Europa, Américas e África, com outras 3 já anunciadas para junho próximo – Marrakesh, Argel e Campinas -, e a inúmeros outros destinos em todo o mundo através de seus parceiros na STAR Alliance. Sua divisão de cargas, a TAP Cargo, também comemora bons resultados, aumentando significativamente a rentabilidade da companhia com o aproveitamento dos porões de carga da frota de passageiros ou fretando aeronaves de terceiros para as rotas cargueiras com maior demanda, como as para Londres, Frankfurt, Colônia, Bruxelas e Luanda.                                                               

Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A320 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

Airbus A320

Buscando maior competitividade, a TAP lançou, em junho de 2006, o programa “Embarque na Liberdade de Escolha – 1 Voo, 5 Formas de Viajar”, com cinco classes tarifárias e de serviços, proporcionando aos clientes optar pelo perfil mais adequado às suas necessidades : Tap Executive (maior conforto, atendimento personalizado, eficiência, rapidez e total flexibilidade); Tap Plus (rapidez e total flexibilidade); Tap Classic (conveniência e flexibilidade); Tap Basic (com uma ótima relação preço/serviço); e Tap Discount (tarifas promocionais a preços muito baixos). Com um marketing bastante eficiente, a TAP vem conquistando prêmios importantes, como o World Travel Awards 2009 (Companhia Líder Mundial para a América do Sul / World’s Leading Airline to South America) e o Prêmio Airbus de Excelência Operacional. Sua revista UP, lançada em 2007, foi eleita a melhor revista de bordo do mundo por diversas publicações especializadas em turismo e variedades. A preocupação com a ecologia também faz parte da rotina da TAP : em 5 de junho de 2009 - Dia Mundial do Ambiente – a companhia foi a primeira do mundo a lançar o Programa de Compensação de Emissões de CO2, em parceria com a IATA.

Recentemente voltou-se a falar numa possível privatização da TAP, processo que chegou a ser iniciado em 2001 e em 2007, sendo interrompido pelas duas grandes crises  na aviação comercial mundial - a primeira delas provocada pelos atentados de 11 de setembro e as mais recentes pela alta nos preços do petróleo e derivados e pelo colapso financeiro no hemisfério norte. Com a privatização, a TAP espera poder capitalizar-se, consolidando sua posição e criando novas perspectivas de crescimento.                                                                                               

Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A319 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A321 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

1 a 12 - Airbus A319; 13 a 18 - Airbus A321

Segurança e manutenção: uma tradição

A TAP desfruta do título invejável de uma das companhias aéreas com melhores índices de segurança em todo o mundo, resultado de um rigoroso treinamento de seus tripulantes e da reconhecida tradição na manutenção de aeronaves. Prova da excelência de seus serviços, a TAP venceu, em 1983, uma concorrência para a revisão de 35 Boeing 727 cargueiros da norte-americana FedEx, contrato depois estendido a parte da frota de McDonnell Douglas DC-10 da mesma companhia (até 1994, passaram pelas oficinas da TAP, para revisão, 150 aviões da FedEx). Em novembro de 2005 o Grupo TAP deu um importante passo para se tornar um dos mais fortes e respeitados mundialmente na manutenção de aeronaves de médio e grande porte: adquiriu a VEM – VARIG Engenharia e Manutenção – a maior e uma das mais respeitadas empresa do setor na América Latina e subsidiária da tradicional transportadora aérea brasileira. As oficinas da TAP empregam, em Lisboa e bases da companhia na Europa, cerca de 1950 pessoas, e na unidade de negócios no Brasil, emprega outras 2.650, com instalações em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro (onde ocupa o maior hangar de aeronaves da América Latina). Seus serviços são certificados pelas principais autoridades aeronáuticas do mundo, como a norte-americana FAA, a europeia EASA e a brasileira ANAC, realizando checks e quase toda a linha Airbus, Boeing e McDonnell Douglas (e no Brasil também à linha EMBRAER).

A TAP registrou, ao longo de toda sua história, um único acidente com perda de vidas entre passageiros. Em 19 de novembro de 1977, um Boeing 727 acidentou-se ao pousar em Funchal (Madeira) sob condições meteorológicas precárias, matando 131 dos 164 ocupantes. O desastre despertou as autoridades para a necessidade de ampliação da pista daquele aeroporto , até então um dos mais perigosos do mundo, e hoje, com sua pista e instalações ampliadas, Funchal é capaz de receber aviões do porte do Boeing 747). Os cuidados com a segurança na companhia, que já eram rigorosos, foram ampliados, e há 33 anos não é registrado um só acidente com suas aeronaves, marca conseguida por pouquíssimas empresas aéreas em todo o mundo.                               

Hangares da TAP em Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Banco de provas de motores em Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Oficinas da TAP em Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Oficinas da TAP em Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Oficinas da TAP em Lisboa (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Hangar da TAP M&E Brasil no Rio de Janeiro (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

1 - Hangar da TAP em Lisboa; 2 - Banco de provas de motores; 3, 4 e 5 - Oficinas da TAP em Lisboa; 6 - Hangar da TAP M&E Brasil no Rio de Janeiro

Quem comanda a TAP

Fernando Pinto, presidente da TAPA TAP tem à sua frente o engenheiro Fernando Abs da Cruz Souza Pinto. Nascido no Rio Grande do Sul em junho de 1949, Fernando Pinto é engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com cursos de extensão em administração de empresas. Piloto privado e de planadores e ultraleves, é autor do projeto do primeiro protótipo de um hovercraft brasileiro e fundador da primeira fábrica de ultraleves do Brasil, a Microleve. Sua vivência na aviação teve início em 1972, quando foi admitido pela VARIG como estagiário de engenharia na oficina de rodas e freios. Um ano depois, já efetivado, coordenou o projeto do banco de provas de motores, e em 1976 já era chefe da divisão de motores da companhia. Em 1981, com a encomenda de 4 Airbus A300B2 pela VARIG/Cruzeiro, foi enviado à Airbus Industrie como engenheiro residente, e de 1992 a 1998 ocupou o cargo de chefe do subdepartamento de oficinas e manutenção da VARIG. Em 1988 passou a diretor técnico da Rio-Sul Serviços Aéreos Regionais, incorporada ao grupo VARIG na mesma época, e em 1992 foi promovido ao cargo de presidente. Assumiu a presidência da VARIG em 1996, quando a transportadora já enfrentava uma séria crise financeira. Seus inúmeros esforços para reduzir custos, melhorar a eficiência e sanear as finanças da companhia encontraram resistências internas e em 2000 deixou o cargo, sendo convidado, em outubro do mesmo ano, para assumir a direção da TAP. Fernando Pinto foi eleito presidente da AEA – Associação das Companhias Aéreas Europeias em 2005, presidente do Conselho da IATA para o exercício 2007-2008, e membro do Conselho de 2008 a 2011.

A TAP em números

Resultados em 2009 (% de variação em relação a 2008): 

  • 8.440.000 de passageiros transportados (-3,4%) 
  • 275.000 horas voadas (-6%) 
  • Taxa de ocupação média 68,5% (+1,5%) 
  • Programa de fidelização Victoria : 1.000.000 de membros (+17,3%)

Rotas mais procuradas – médio curso : 

  • Lisboa – Funchal – 535.000 passageiros 
  • Lisboa  Porto – 389.000 passageiros 
  • Lisboa – Londres – 366.000 passageiros

Rotas mais procuradas – longo curso : 

  • Lisboa – São Paulo – 201.000 passageiros 
  • Lisboa – Rio de Janeiro – 191.000 passageiros 
  • Lisboa – Luanda – 178.000 passageiros

Evolução dos mercados (passageiros 2009 x 2008) : 

  • Continente : 1,0% (-0,5% em dezembro) 
  • Ilhas : -3,2% (6,3% em dezembro) 
  • Europa : -3,9% (1,3% em dezembro) 
  • África : 6,4% (2,6% em dezembro) 
  • Estados Unidos : -15,9% (4,0% em dezembro) 
  • Brasil : -4,6% (11,5% em dezembro)
  • Venezuela : -16,9% (-10,5% em dezembro)

Objetivos para 2010: 

  • 9.000.000 de passageiros transportados (+7,1%)                                                               
Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

Airbus A330-200

Subsidárias 

  • PGA Portugália - 100% 
  • Groundforce (Handling) - 49.9% 
  • TAP Manutenção & Engenharia Brasil - 100% 
  • Air Macau - 20%                               
Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Pga Portugalia (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)

1 e 2 - Embraer 145 da PGA Portugália; 3 - Saab 200 da PGA Portugália; 4 - Beech 1900D da PGA Express; 5 - Fokker 100 da PGA Portugalia; 6 - Airbus A310 da White, ex-subsidiária charter da TAP (vendida ao Grupo OMNI)

Cidades e aeroportos servidos  (efetivo Junho de 2010)

  • Portugal: Lisboa, Porto e Faro (Continente), Funchal e Porto Santo (Madeira), Ponta Delgada, Terceira, Horta e Pico (Açores).

  • Europa: Frankfurt, Hamburgo e Munique (Alemanha); Bruxelas (Bélgica); Copenhague (Dinamarca); Zagreb (Croácia); Barcelona, Bilbao, Coruña,Madrid, Málaga, Pamplona, Sevilha e Valencia (Espanha); Helsinque (Finlândia); Lyon, Marselha, Nice, Paris - Charles de Gaulle e Orly e Toulouse (França); Amsterdão (Holanda); Budapeste (Hungria); Londres - Gatwick e Heathrow (Inglaterra); Bolonha, Milão-Linate e Malpensa, Roma e Veneza (Itália); Luxemburgo (Luxemburgo); Oslo (Noruega); Varsóvia (Polônia); Praga (República Tcheca); Moscou (Rússia); Estocolmo (Suécia); Genebra e Zurique (Suíça).

  • África: Joanesburgo (África do Sul); Luanda (Angola); Argel (Argélia), Praia e Sal (Cabo Verde); Bissau (Guiné Bissau); Casablanca e Marrakesh (Marrocos); Maputo (Moçambique); Dakar (Senegal) e São Tomé.

  • Américas: Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Fortaleza, Natal, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo (Brasil), New York-Newark (Estados Unidos) e Caracas (Venezuela).
Tripulação de um Airbus A330 da TAP (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Tripulação de um Airbus A330 da TAP (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)Tripulação de um Airbus A330 da TAP (foto D.R.Carneiro, Aviation On Line)
Classe Executiva do Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On
 Line)Classe Executiva do Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On
 Line)Classe Turística do Airbus A330 (foto D.R.Carneiro, Aviation On
 Line)

1 e 2 - Comandante e primeiro oficial de Airbus A330 em check antes de um voo Rio de Janeiro - Lisboa; 3 - Tripulação do voo; 4 e 5 - Classe Executiva do Airbus A330; 6 - Classe Turística do Airbus A330

Frota
 

TAP Portugal
Airbus A340-300
   274 assentos (36+238)
   voos para África e América
CS-TOA
CS-TOB
CS-TOC
CS-TOD
041 / Fernão Mendes Pinto
044 / D.João de Castro
079 / Wenceslau de Morais
091 / D.Francisco de Almeida
Airbus A330-200
   263 (24+239) ou  268 (24+244) assentos
   voos para Açores e Américas
CS-TOE
CS-TOF
CS-TOG
CS-TOH
CS-TOI
CS-TOJ
CS-TOK
CS-TOL
CS-TOM
CS-TON
CS-TOO
CS-TOP
305 / Pedro Álvares Cabral
308 / Infante D.Henrique
312 / Bartolomeu de Gusmão
181 / Nuno Gonçalves (STAR Alliance cs)
195 / Damião de Gois
223 / D.João II
317 / Padre António Vieira
877 / João Gonçalves Zarco
899 / Vasco da Gama
904 / João XXI
914 / Fernão de Magalhães
934 / Pedro Nunes
Airbus A350 XWB
 
-
 
12 encomendados (2014) + 3 opções
 
Airbus A319
   132 assentos
   voos domésticos e para Europa
CS-TTA
CS-TTB
CS-TTC
CS-TTD
CS-TTE
CS-TTF
CS-TTG
CS-TTH
CS-TTI
CS-TTJ
CS-TTK
CS-TTL
CS-TTM
CS-TTN
CS-TTO
CS-TTP
CS-TTQ
CS-TTR
CS-TTS
750 / Vieira da Silva
755 / Gago Coutinho
763 / Fernando Pessoa
790 / Amadeo de Sousa Cardoso
821 / Francisco D'Ollanda
837 / Calouste Gulbenkian
906 / Humberto Delgado
917 / António Sérgio
933 / Eça de Queiroz
979 / Eusébio
1034 / Miguel Torga
1100 / Almeida Garret
1106 / Alexandre Herculano
1120 / Camilo Castelo Branco
1127 / Antero de Quental
1165 / Josefa d'Óbidos
629 / Agostinho da Silva
1756 / António Soares dos Reis
1765 / Guilhermina Suggia
Airbus A320
    156 assentos
    vôos domésticos e para Europa
CS-TMW
CS-TNG
CS-TNH
CS-TNI
CS-TNJ
CS-TNK
CS-TNL
CS-TNM
CS-TNN
CS-TNP
CS-TNQ
CS-TNR
CS-TNS
CS-TNT
CS-TNU
CS-TNV
CS-TQD
1667 / Luísa Todi
945 / Mouzinho da Silveira
960 / Almada Negreiros
982 / Aquilino Ribeiro
1181 / Florbela Espanca
1206 / Teófilo Braga
1231 / Vitorino Nemésio
1799 / Natália Correia
1816 / Gil Vicente
2178 / Alexandro O'Neill (STAR Alliance)
3769 / José Régio
3883 / Luís de Freitas Branco
4021 / D.Afonso Henriques
4095 / Rafael Bordalo Pinheiro
4106 / Columbano Bordalo Pinheiro
4145 / Grão Vasco
870 / Eugénio de Andrade
Airbus A321
   194 assentos
   vôos domésticos e para Europa
CS-TJE
CS-TJF
CS-TJG
1307 / Pêro Vaz de Caminha
1399 / Luis Vaz de Camões
1713 / Amália Rodrigues
PGA Portugália
Fokker 100CS-TPA
CS-TPB
CS-TPC
CS-TPD
CS-TPE
CS-TPF
11257 / Albatroz
11262 / Pelicano
11287 / Flamingo
11317 / Condor
11342 / Gavião
11258 / Grifo
Embraer 145CS-TPG
CS-TPH
CS-TPI
CS-TPJ
CS-TPK
CS-TPL
CS-TPM
CS-TPN
145014 / Melro
145017 / Pardal
145031 / Cuco
146036 / Chapim
145041 / Gaio
145051 / Pisco
145095 / Rola
145099 / Brigão
Beech 1900D
    (PGA Express)
CS-TMU
CS-TMV
UE-335 / Castor
UE-341 / Esquilo


Sites TAP


Modelos (miniaturas) de aviões da TAP


Tripulação de um Airbus A330 preparando-se para o voo Rio de Janeiro - Lisboa

O autor gostaria de agradecer à TAP (Comunicação e Relações Públicas - Brasil e Portugal,  Gerência de Aeroporto Rio de Janeiro/GIG e tripulantes); à INFRAERO - Aeroportos do Brasil; aos amigos Tomás e Teotónio Coelho e à pousada Quinta Perestrello Heritage House (Funchal, Madeira); aos spotters de Lisboa e a todos os que colaboraram para este trabalho. A versão impressa deste artigo foi publicada na revista AeroMagazine de agosto de 2010.


[ índice de artigos ]

 

Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)
Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato) ADAMJets - A maior coleção de miniaturas de aviões do mundo! Entregamos no Brasil com segurança e confiabilidade... acesse nosso site (www.adamjets.com)! Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)
Anuncie em Aviation & Cruising online (clique para entrar em contato)

©2017 - Aviation & Cruising online - todos os direitos reservados
proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização

Página inicial Página inicial Contato Versão em Português English version Versión en Español Página inicial Siga-nos no Twitter!